O desapego físico, mental e emocional, leva a um estado de consciência e libertação espiritual que causa um bem estar geral.

O desapego, ao contrário do que se possa pensar, e desde que praticado corretamente, é um valor interno precioso que todos nós devemos aprender a desenvolver, quando compreendido dentro do contexto do crescimento pessoal.

É importante salientar que, praticar o desapego não significa que tenhamos que libertar de tudo e de todos, apenas temos que tomar consciência do que nos limita e ter a capacidade de agir, perante as situações que nos puxam para trás, sejam elas: os nossos pensamentos, as nossas emoções, objetos que guardamos, pessoas que não nos permitem evoluir.

Desapego significa saber amar, apreciar e se envolver nos relacionamentos com uma visão mais equilibrada e saudável, libertando-se dos excessos que o prendem.

Importância do Autoconhecimento

É muito importante estarmos atentos ao nosso mundo externo, mas sobretudo ao nosso mundo interno e proporcionar-nos ferramentas de autoconhecimento, tais como:
– Autoconsciência,
– Autorresponsabilidade,
– Automotivação,
Autocontrolo,
– AMOR-PRÓPRIO. 

Porque quando nos conhecemos, ganhamos a capacidade de analisar, estabelecer limites e libertar tudo o que não nos acrescenta e todos que sugam a nossa energia.

Tipos de Desapego

Existem vários tipos de desapego:

  • Desapego Físico – refere-se ao desapego de bens materiais, criando um afastamento do supérfluo. Isso não significa que devemos eliminar todos os bens materiais, mas sermos mais minimalistas, tendo o indispensável para vivermos.
  • Desapego Emocional – consiste no desapego a emoções que nos podem tornar prisioneiras de situações ou relacionamentos abusivos, que nos podem causar exaustão emocional. Quem é desapegado não costuma nutrir emoções ou sentimentos negativos, mas também não se apega excessivamente aos positivos, aproveita-os por um período saudável e permite que partam.
  • Desapego mental – consiste em tomar consciência dos pensamentos que, de alguma forma, limitam o crescimento pessoal, assim como a possibilidade de viver o presente, ficando, muitas vezes, obcecado com acontecimentos passados e/ou com desejos futuros.

Libertação emocional é viver mais honestamente, de acordo com as suas necessidades. Crescer, progredir com conhecimento de causa, sem prejudicar ninguém e não deixar ninguém nos limitar.

1º Passo do Desapego - Responsabilidade

O 1º Passo, que tens de ter em mente, para praticares o desapego é tomares consciência de que tu és totalmente responsável por ti mesmo.

Não responsabilizes os outros pela tua felicidade. Não imagines que para seres feliz é necessário encontrares o parceiro ideal ou ter o reconhecimento de toda a tua família.

Se a opinião dos outros é a tua medida de satisfação e felicidade, não vais conseguir nada para além de sofrimento. Raramente os outros suprirão as nossas necessidades.

Cria sua própria felicidade, sê responsável, maduro, conscientiza-te das tuas escolhas e consequências e nunca deixes que teu bem-estar dependa da opinião alheia.

2º Passo do Desapego - Viver o Presente

Muitas vezes, não conseguimos aceitar que nada, nesta vida, é eterno, nem permanece sempre igual; tudo flui e retoma o seu caminho. Muitas pessoas estão sempre focadas no que aconteceu no passado, e isso se torna um fardo pesado que carregamos no presente.

Mesmo que seja doloroso, aceita, assume o passado e aprende a perdoar. Isso o fará te sentir mais livre e ajudará a te concentrares no que realmente importa: “o aqui e agora”. Liberta-te!

3º Passo do Desapego - Deixar Ir

Ser livre não nos impede de criar vínculos com os outros. Criar vínculos, amar e ser amado, fazem parte do nosso crescimento pessoal.

O desapego significa que NÃO DEVES, nunca, assumir a responsabilidade pela vida dos outros, nem deixar que sejam eles a impor os teus princípios, nem tentar prender-te. É assim que surgem os problemas de relacionamento e o sofrimento.

Os apegos exagerados não são saudáveis!

4º Passo do Desapego - Aceitar

Devemos aceitar que nada, nesta vida, dura para sempre. A vida, os relacionamentos e até os bens materiais acabam por desaparecer por entre os nossos dedos.

As pessoas vão embora, as crianças crescem, alguns amigos somem e perdemos alguns amores… Tudo isso faz parte do desapego. Temos que aprender que isso é normal e enfrentar essa situação com tranquilidade e coragem.

O que nunca pode mudar é a tua capacidade de amar. Começa sempre por TI mesmo.

Assume que a liberdade é a forma mais plena, íntegra e saudável de aproveitar e compreender a vida em toda a sua imensidão

Vantagens do Desapego na Saúde Mental

É nos relacionamentos conjugais que o apego causa demasiada dependência emocional, carência afetiva e ciúme excessivo, para além de que, dificulta bastante o processo de seguir em frente, quando a relação termina. Um dos grandes motivos que pode levar a este termo, é o medo de ser abandonado, que acaba desgastando o relacionamento pouco a pouco.

Noutras circunstâncias, o apego ao negativo, aos imprevistos e aos conflitos destrói a autoestima e a autoconfiança da pessoa, causando stress, angústia e sentimento de culpa por factos ocorridos.

É necessário aceitar as mudanças, repentinas ou não, acontecimentos e relacionamentos, sejam estes bem-sucedidos ou não e entender que aquilo que nos acontece, não nos condenam a uma única posição ou a um único rótulo para todo o sempre.

O desapego saudável é necessário para continuarmos a viver após um evento ruim, adaptar-se à multiplicidade de circunstâncias de vida e combater a dependência nos relacionamentos.

O apego excessivo está, na grande maioria das vezes, associado ao medo de: ficar sozinho, sentir emoções fortes, mudanças, perder algo ou alguém que significa tudo para nós.

No entanto, devemos entender que existem acontecimentos, ao nosso redor, que não conseguimos controlar e quando os aceitamos, o medo começa a desvanecer. A única coisa que conseguimos controlar é a nós próprios e a forma como lidamos perante os acontecimentos.

O desapego do medo melhora a autoconfiança e, com o tempo, proporciona uma perspectiva de vida mais otimista.

Como Desapegar?

O processo de desapego, nem sempre é fácil e o caminho nem sempre é curto. Temos que, sem autojulgamento, entender que podemos dar passos em frente e durante a caminhada, a vida obrigar-nos a dar passos para trás, e está tudo bem!

Podemos ter necessidade de pedir ajuda no processo, o que não significa que sejamos fracos, até pelo contrário – o ato de pedir ajuda é um ato de CORAGEM!

  1. Trabalhar a autoestima

    Acreditas que não és bom o suficiente? Elimina essa crença limitadora, substituindo-a por uma crença possibilitadora.

    Pessoas desapegadas conhecem o seu valor e sabem que ninguém, além delas próprias, pode danificá-lo. É por isso que o que acontece ao redor delas não chega a abalá-las emocionalmente.
    Se te importas demasiado com críticas e opiniões alheias, modifica essa mentalidade e compreende que as opiniões alheias só te podem atingir se acreditares nelas.
    Confia em ti e nas tuas capacidades. A construção da autoestima começa com a autoconfiança.

  2. Enfrentar o medo
    Estudos identificam que, indivíduos apegados transferem as suas necessidades interiores para algo ou alguém que acreditam serem capazes de sanar o seu mal-estar emocional.
    Como não conseguem se bastar, procuram um ou mais elementos exteriores para encontrar a satisfação. Assim, o desapego torna-se algo assustador, que irá roubar um de seus pilares emocionais mais importantes. O medo de ficar à deriva, sem aquele elemento para mantê-lo seguro, leva à dependência emocional.
    Para praticar o desapego é preciso compreender que todas as tuas necessidades podem ser saciadas dentro de ti e não fora! Quando tu concedes ao outro ou a algo o dever de relembrá-lo do teu valor, nunca ficarás totalmente satisfeito.
  3. Não assumir a responsabilidade dos outros

    Não é o teu dever colocar a vida dos outros em ordem, ainda que sejam entes queridos. Da mesma forma, ninguém deve ser responsabilizado pela tua felicidade e saúde mental.

    Sempre que sentires a necessidade de consertar a vida de alguém, para e pensa se a outra pessoa está disposta a receber a tua ajuda. Tu podes sempre oferecer um ombro amigo a alguém querido num momento de necessidade, mas não podes forçar quem não está preparado para mudar a ser diferente.

  4. Aceitar a realidade

    Às vezes, não há nada que podemos fazer a não ser manter a calma e esperar pelo melhor. A resistência à realidade aumenta o sofrimento e a sensação de impotência, afinal, algumas situações são impossíveis de controlar.

    Para praticar o desapego das circunstâncias, não atribuas fortes emoções aos eventos naturais da vida. Aproveita para comemorar e vivenciar apenas o momento presente. Caso contrário, quando tudo acabar, podes ficar preso ao passado e não conseguires aproveitar novas experiências.

    A existência humana é feita de ciclos. Embora alguns sejam mais agradáveis que outros, todos eventualmente devem chegar ao fim para que outros (melhores) se iniciem.

Vantagens do Desapego Emocional

O desapego emocional envolve deixar de lado pensamentos limitadores e emoções negativas que podem te estar a impedir de progredires na vida.

Eis algumas maneiras de praticar o desapego emocional, que te podem ajudar durante o processo:

  1. Reconhece os teus pensamentos e emoções negativas – quando tiveres pensamentos negativos, reconhece que os estás a ter e identifica a forma como te estás a sentir. Esses sentimentos são intrínsecos a ti ou foram provocados por alguém que te é próximo? Quando entendes qual o gatilho que faz despoletar essas emoções, maiores são as chances de identificar os teus sentimentos e, consequentemente, proporcionarás a criação de estratégias para lidar com os aspetos negativos do que estás a sentir.
  2. Aprende a deixar ir – não há como praticar o desapego enquanto ainda estiveres totalmente apegado a algo que te impede de seguir em frente.
    Por isso, evita o acúmulo e tira todo o peso que carregas nas costas.
    Logo, se perceberes que aquilo que antes eras bom, hoje não te serve mais, troca, abandona, doa ou joga fora. Mesmo que metaforicamente, isso sirva para qualquer coisa ruim que estejas a carregar na sua vida, tanto em relação a pessoas, quanto a coisas que te prendem ao passado.
    Sendo assim, força-te a desapegar e reserva espaço para o novo entrar na tua vida. Deixa ir todas as emoções negativas e os pensamentos limitadores que te estão a impedir de progredir e abandona tudo aquilo que não cabe mais em ti.
    Acredita, com isso, que ficarás mais leve e sentirás mais disposto e feliz, pois compreenderás que agora tens espaço suficiente para tudo de bom que está por vir.
  3. Cuida-te – Praticar o autocuidado pode ajudar a melhorar a tua saúde física e emocional. Tenta melhorar a tua relação com a comida, hidrata-te, aprecia-te e, principalmente, movimenta-te. Cria uma rotina de exercícios que fortaleçam o teu corpo e a tua mente, consome alimentos saudáveis, dorme bem e cuida da tua aparência pessoal.

    Melhorar e evoluir a cada dia, mudar hábitos para ter uma vida mais saudável.

    Não temas o novo! Adapta-te às mudanças e adota uma nova rotina, por mais que, no começo possas sofrer um pouco, acredita, serão tantos os benefícios que após iniciares esses novos hábitos, deixas de ter a coragem ou a vontade de parar.

  4. Cria rede de apoio – quando perceberes que não estás a conseguir cuidar das tuas crenças limitadores, nem das emoções negativas sozinho, procura por um mentor, por um terapeuta ou por amigos e familiares que te possam ajudar a compreender ou a lidar melhor com tais limitações.
    Para isso, sem temeres críticas, assume que tens um problema e, em seguida, procura pessoas de confiança que te poderão ouvir e orientar-te para um bom caminho.
    Evita entrar em contato com pessoas que falam ou criticam demais. Esse é um momento delicado e importante da tua vida, portanto, entende a tua dificuldade de desapego, procurando acolhimento, e não por julgamento.

O que está ao teu alcance?

Tens ao teu dispor várias ferramentas que te ajudam na prática do desapego, através de Terapias de Desenvolvimento Pessoal: Curso de Gestão de Emoções, Minicurso Caminho da Felicidade, Programa Reborn, Programa Alquimia d’Emoções, Programa Círculos de Despertar da Essência Feminina, Coaching. Assim como, Terapias Alternativas e Holísticas que te ajudam no equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual: Reiki, Cristaloterapia, Barras de Access, Meditação e Mindfulness, Yoga do Riso, Círculos do Despertar e de Cura, Massagem Aromática, Yoga.

Quando praticas o desapego de pensamentos e emoções, de bens, situações e pessoas que não te permitem evoluir, estás-te a permitir evoluir espiritualmente, para teres uma vida mais saudável e equilibrada.

Diana Pinto

Desenvolvi um Curso Online onde poderás Aprender a Gerir as Tuas Emoções em 30 dias.

Também podes acompanhar o meu trabalho na minha Página do Facebook e entrares no Canal do Telegram da Comunidade Online.

Gostaste deste artigo? Partilha com os teus amigos e familiares.

Grata pela tua atenção

Diana Pinto

Diana Pinto

Ajuda pessoas que se sentem cansadas emocionalmente a terem uma vida mais equilibrada, tranquila e FELIZ no seu dia-a-dia.

Mais artigos:

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email